quarta-feira, agosto 29, 2007

Viajando por África como Africano

Após o PN Queen Elizabeth, tínhamos um dia e meio para nos pormos em Mwanza, na Tanzânia, para iniciar o nosso safari. A viagem não era simples pois implicava vários meios de transporte e vários transbordos.

Começamos por negociar com um taxista por 70 USD uma viagem de 4h do PN até Masaka (cidade no Uganda que dá acesso à Tanzânia). À ultima da hora o taxista cortou-se, pediu 100 USD e ficamos apeados. Por isso apanhamos um matatu: um transporte tipicamente africano que consiste numa carrinha tipo Toyota Hiace e chega a levar 25 pessoas empacotadas la dentro. Lá fomos nos felizes, como sardinhas enlatadas e muita catinga.

Duas horas depois chegamos a Mbarara, e como era noite decidimos pernoitar ali. Comemos qualquer coisa num restaurante incrivelmente imundo e dormimos, sem sequer nos despir, numa pensão incrivelmente rasca.

As 5am estávamos de novo a para apanhar o autocarro das 6am para Masaka. La era esperar e apanhar o autocarro que faz a ligação KampalaBukoba (Tanzânia). Ninguém sabia dizer ao certo onde parava o autocarro ou a que horas, por isso ao fim de 4 horas, na berma da estrada à espera, desistimos e fomos de matatu até à fronteira.

Passada a fronteira, novo matatu até Bukoba, este ainda mais velho, mais lento e mais apertado. B com galinhas na cabeça, eu com joelhos na boca.

Em Bukoba era apanhar o ferry nocturno das 21h30m que vai ate Mwanza atravessando o Lago Vitoria. As 17h50m, acabados de chegar, fomos comprar os bilhetes para o barco. Oooopsss!! Afinal é às 18h! Voámos de táxi até ao porto, mas não conseguimos – foi o único meio de transporte pontual que vimos ate agora.

Juntamente com um local, que também tinha perdido o barco, partilhámos um táxi e voamos de novo até uma cidade portuária a sul para aí apanhar o ferry. Conseguimos! Mas em 3a classe…

Éramos os únicos brancos no barco. A 3a classe era uma javardice indescritível: pretos e lixo espalhados por todo o lado.

Subornamos o capitão e conseguimos duas camas numa cabine partilhada com duas pretas gordas imundas e um gajo com um molho de notas incrivelmente gordo. As 7am chegamos FINALMENTE a Mwanza para iniciar o nosso safari.

6 comentários:

basto disse...

E ainda dizem mal do metro do Porto... Locomoção Africana no seu melhor! Fantástico :)

Janeko disse...

Pretas gordas!?
Rui, foi uma canseira mas então valeu a pena! :)

barbara disse...

O cheiro a catinga ter-me-ia deixado completamente enjoada!!ao ponto de colocar em causa a continuação da viagem!Parabéns pessoal...aguentaram a bonita!

pedragrega disse...

Que espectáculo!
Ahahahahahahhahahahahahahahahhahah
Já ganhei o dia com tanto rir... então as galinhas na cabeça da B dão cabo de qualquer mau humor laborar ;)

Bjocas e obrigada pelas notícias

Africa real num blog perto de si!

Anónimo disse...

Tu deves ter a mania que és colonizador ou coisa do género... o blog poderia ser bastante interessante se não fossem alguns dos teus comentários do estilo "pretos e lixo por todo o lado" ou "começo a compreender o appartheid"... Pessoas com esse tipo de mentalidade, por muito que viajem, nunca alargam os seus horizontes...

Gato disse...

Novos comentários são sempre bem-vindos a este blog. Seria bom é que viessem assinados!

O anónimo do comentário anterior, com grande superioridade moral (e enorme sensibilidade), mandou a sua farpa mas preferiu não assinar. Talvez tenha também os seus telhados de vidro…

Sendo assim não vou responder àquilo que poderia ter sido uma interessante troca de ideias.